contato@geokrigagem.com.br | (11) 2276-5711

NOSSA PESQUISA

A nossa pesquisa, publicada em periódicos internacionais e nacionais, gera conhecimento. O principal artigo publicado pelo Autor trata da proposta da variância de interpolação (Yamamoto, 2000) como uma medida efetiva da incerteza, pois a variância de krigagem é reconhecida apenas como uma medida da configuração espacial dos pontos de dados usados na krigagem ordinária. Esse artigo apresenta 59 citações (até 02/01/2017) no Web of Science e 79 citações no Scopus, as quais somadas àquelas derivadas de outros trabalhos resulta no fator H igual a 7, um dos mais altos entre pesquisadores brasileiros na área de geoestatística.

Usamos o conhecimento para desenvolver soluções inovadoras. Os nossos algoritmos são inéditos e visam à otimização dos cálculos geoestatísticos e visualização tridimensional de modelos geológicos. Um exemplo de uma citação do artigo de Yamamoto (2000), foi feita conforme resumo a seguir:

Kim et al. (2013) comparam dois modelos de variância: variância de krigagem (VK) e variância de interpolação (VI), na quantificação da incerteza e erros de medida na variância do campo escalar estimado a partir do monitoramento de robôs ambientais. Com base em dois cenários experimentais, Kim et al. (2013) avaliaram a variância estimada em campos escalares construídos a partir de medidas feitas por robôs. Na amostragem por robôs usando a variância de interpolação para seleção de sítios de amostragem: coleta-se mais dados para um determinado intervalo de tempo (45% mais que a variância de krigagem), percorre menor distância para coletar o mesmo número de amostras (25% menos que a variância de krigagem) e tem um promissor aumento de velocidade com múltiplos robôs. Dados de qualidade da água a partir do levantamento de um veículo subaquático autônomo no Lago Pleasant (Arizona) também mostraram que a variância de interpolação produz melhores qualidades para uma distância e tempo.

Referência

Kim, Y.; Shell, D. Ho, C.; Saripalli, S. 2013. Spatial interpolation for robotic sampling: uncertainty with two models of variance. Springer Tracts in Advanced Robotics, v. 88, p. 759-774.


04
SET
2017

SIMULAÇÃO GAUSSIANA SEQUENCIAL

No artigo anterior (publicado em 4 de abril de 2017 - Continuidade geológica), vimos o que é o efeito de suavização da krigagem ordinária. Neste, vamos ver uma solução baseada na simulação Gaussiana sequencial, que é um dos métodos mais usados em geoestatística, devido à sua facilidade de uso e de implementação. A simulação estocástica […]
Continue lendo →
03
JUL
2017

Soluções tecnológicas para Atendimento à Portaria Nº 70.389/2017 do DNPM – Parte 3

Parte 3 –  Planejamento e gestão de atividades de monitoramento e inspeção de estruturas geotécnicas no Geo Inspector Esta é a terceira parte da série de artigos que busca discutir a adoção de soluções tecnológicas visando atender à nova portaria Nº 70.389/2017 do DNPM. Apresentaremos a solução para planejamento e gestão de atividades de monitoramento […]
Continue lendo →
26
JUN
2017

Soluções tecnológicas para Atendimento à Portaria Nº 70.389/2017 do DNPM – Parte 2

Parte 2 – A importância da coleta de dados geotécnicos de barragens para atendimento à Portaria Nº 70.389/2017 do DNPM Esta é a segunda parte da série de artigos que busca discutir a adoção de soluções tecnológicas visando atender à nova portaria Nº 70.389/2017 do DNPM, órgão federal que tem como atribuições, fiscalizar as atividades […]
Continue lendo →
19
JUN
2017

Soluções tecnológicas para Atendimento à Portaria Nº 70.389/2017 do DNPM

Parte 1 – Novas definições, exigências e prazos Nesta nova série de artigos iremos discutir algumas das soluções tecnológicas disponíveis para atendimento à nova portaria sobre segurança de barragens, que consolida as regulamentações atribuídas ao DNPM, nos termos dos artigos 8 a 12 da Lei Federal n° 12.334/2010, que dispõe sobre a Política Nacional de […]
Continue lendo →
12
JAN
2017

Avaliação Geoestatística de Recursos Minerais

O processo de avaliação de recursos minerais conta atualmente com o auxílio de ferramentas computacionais, que facilitam esse trabalho técnico com vantagens em termos de rapidez, versatilidade e flexibilidade. Nesse sentido, todos os resultados da pesquisa mineral devem ser verificados, armazenados e, posteriormente, recuperados. Apesar de existirem algoritmos para verificação de incompatibilidade nos dados, ainda é prudente que se faça uma rápida verificação manual por meio de listagens.
Continue lendo →
05
JAN
2017

GEOKRIGE: MODELAGEM INTEGRADA PARA AVALIAÇÃO DE RECURSOS MINERAIS

A modelagem integrada é a verdadeira modelagem de domínios geologicamente coerentes e estatisticamente homogêneos...
Continue lendo →
02
MAR
2015

Post-processing for uncertainty reduction in computed 3D geological models. Tectonophysics (Amsterdam)

Trabalho liderado pelo autor se refere à redução da incerteza na modelagem geológica 3D, por meio da reamostragem do modelo numérico 3D e pós-processamento usando essa nova amostra.
Continue lendo →
28
FEV
2015

Post-processing of sequential indicator simulation realizations for modeling geologic bodies. Computational Geosciences (Amsterdam).

Landim & Yamamoto (2013, p. 172) propuseram o pós-processamento das realizações da simulação indicadora sequencial por meio do filtro da média (média de realizações), que permite determinar não somente o modelo mais provável de todas as realizações, bem como a zona de incerteza associada. O modelo médio ainda está contaminado por alta incerteza, assim os autores propuseram usar o pós-processamento para redução da zona de incerteza, a partir da reamostragem do modelo médio.
Continue lendo →
25
FEV
2015

Determination of volumetric uncertainty for geological bodies detected by boreholes. Measurement

Nesse artigo, os autores propõem usar a zona de incerteza em torno dos corpos geológicos para calcular a incerteza volumétrica por meio da simulação de Monte Carlo.
Continue lendo →
24
FEV
2015

GEOESTATÍSTICA – conceitos e aplicações

Autor: Jorge Kazuo Yamamoto, Paulo Milton Barbosa Landim Páginas: 215 ISBN: 9788579750779 Publicação: 2013 Formato: 21 x 28 cm Encadernação: Brochura Edição: 1 Editora: Oficina de Textos Um divisor d’águas, no dizer dos Autores, que se propuseram a abrir a “caixa preta” da Geoestatística, explicando, com exemplos resolvidos e didática, o passo a passo de seus […]
Continue lendo →